Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Textos de apoio das aulas do 8º Ano - VIII

Mäyjo, 24.03.09

O SOSSEGO OU A AGITAÇÃO?

Viver na cidade ou no campo não é bem a mesma coisa!

 

As diferentes características do espaço urbano e do espaço rural decorrem:

  • da forma como o espaço é ocupado pelos grupos humanos. De forma contínua na cidade ou de forma descontínua no campo;
  • das actividades desenvolvidas em cada um deles. Domina o sector terciário na cidade e o sector primário no campo.

Por estes motivos, a cidade e o campo proporcionam às pessoas diferentes oportunidades, que nos permitem distinguir o modo de vida rural do modo de urbano.

Modo de vida: conjunto de hábitos que caracterizam as diferentes vertentes da vida do indivíduo ou do grupo — profissão, tempos livres, vida familiar...

Enquanto no campo, duma forma geral:

  • o persistem muitas ocupações, com horários de trabalho mais ou menos flexíveis há pouca oferta de ocupação de tempos livres;
  • valoriza-se a tradição: os trajes, os pratos típicos, as festas populares...;
  • todas as pessoas se conhecem e entreajudam em caso de necessidade;
  • o ambiente é sossegado e há pouca poluição sonora e visual;
  • as deslocações das pessoas são curtas, o ritmo de vida é calmo.

 

Na cidade, normalmente:

  • a esmagadora maioria das pessoas cumpre horários de trabalho muito rígidos; a oferta de actividades de ocupação de tempos livres é muito diversificada;
  • não há um conjunto de valores comuns, mas uma grande diversidade de hábitos. Aceita-se a diversidade, valoriza-se o que é moderno;
  • cada um sente os seus problemas. As relações entre as pessoas são pouco familiares;
  • as ruas estão repletas de painéis publicitários e a intensa circulação automóvel deteriora a qualidade do ar;
  • as pessoas têm uma grande mobilidade dentro, de e para a cidade; o ritmo de vida é agitado.

Actualmente, nos países desenvolvidos, este contraste está um pouco atenuado, porque:

  • o desenvolvimento dos transportes facilita as deslocações diárias entre a cidade e campo;
  • a existência, em muitas aldeias, de infra-estruturas e equipamentos oferece muitas das comodidades próprias da cidade;
  • os meios de comunicação social difundem novos hábitos e valores.

Estas condições permitem a adopção pelos rurais do modo de vida urbano e motivam muitos urbanos a residir no campo — é a rurbanização.

Urbano: indivíduo que vive na cidade; o que diz respeito à cidade.

Rurbanização: instalação de equipamentos e actividades próprios dos centros urbanos, em aglomerados de pequenas dimensões localizados no espaço rural envolvente, que leva alguns urbanos a mudar a sua residência da cidade para o campo.

 

O anticiclone dos Açores

Mäyjo, 24.03.09

 

O clima dos Açores depende da posição do arquipélago no contexto da circulação atmosférica e oceânica do Atlântico Norte. A Região situa-se na zona de transição entre as massas de ar quentes e húmidas com origem sub-tropical e as massas de ar com características mais frescas e secas de proveniência sub-polar. A latitude das ilhas é demasiado elevada para permitir a acção directa da circulação tropical, mas o o suficiente para receber as influências imediatas das correntes polares.
As condições climáticas dominantes resultam, pois, dos gradientes de pressão que condicionam esta faixa oceânica, ou seja, das perturbações das baixas sub-polares e da evolução da cintura de altas pressões sub-tropicais. Das células anticiclónicas salienta-se o Anticiclone dos Açores: a sua posição, intensidade, orientação e desenvolvimento, condicionam a variação sazonal do clima insular (BETTENCOURT, 1979; AZEVEDO, 1996).
No Verão, a sua deslocação para Norte, afasta a Frente Polar para latitudes mais elevadas, enquanto no Inverno, a sua localização a Sul do arquipélago faz descer a Frente Polar, sujeitando as ilhas à instabilidade das correntes de Oeste, com a passagem de ondulações frontais. A regularidade térmica e a elevada humidade que caracteriza o clima dos Açores, podem ser explicados pelo efeito moderador da massa oceânica envolvente.